Rei Davi



Espetáculo de Dança - Rei Davi

Realização: Letícia Soares – Centro de Danças, Beleza e Estética.

http://www.leticiasoares.com.br/

A arte de contar histórias sempre manteve a história da humanidade viva. Antes da escrita, a memória dos fatos era mantida pelos velhos, anciãos, sábios e pelo próprio povo que em todos festivais e cultos em praça pública insistentemente contavam as lendas, que eram repetidas em tom de cântico, prosa, versos, música, dança ou através das esculturas, pinturas e símbolos de cada cultura. Assim eram reafirmados os valores e as verdades alinhadas com a crença e com o imaginário popular.

Quando algo na arte se propõe a realizar uma repetição não acho enfadonho. Pelo contrário, acho prazeroso trazer frente ao ritmo consumista do novo, da novidade, da constante mudança e inovação o velho hábito de contar algo antigo. Algo de 1000 anos antes de Cristo, data possível pelos relatos bíblicos, quando viveu Davi. 

Foi um belo espetáculo de dança do ventre, que procurou passo a passo, cena a cena,  contar fragmentos da vida, das façanhas e do destino de Davi, que é considerado um dos maiores Reis em Israel. Passaram em cena etapas da infância, sua luta com gigante Golias, até sua gloria como rei exaltado por todos.

Uma característica do espetáculo que quero ressaltar foi a escolhas das cores e da iluminação. Figurino de muito bom gosto, com cores fortes e marcantes em cada entrada, do laranja ao verde fluorescente. Uma ótima escolha que deu certo, trazendo unidade e verdade, além de um certo tom de alegria para cada parte do espetáculo. Um cenário simples com uma mandala central que se multiplicava em sombras e uma iluminação que contribuiu signitivamente para cada coreografia.

Sobre a presença das crianças queria fazer um adendo. Ver criaturinhas pequeninas dando a cara em cima de um palco foi gratificante. Peço desculpas pelo que vou dizer, pois não é um demérito para as outras, mas, apenas um acréscimo de mérito às pequeninas: sempre que entraram no palco roubaram a cena. Não pela habilidade em dança. Não por serem pequenas. E sim porque estavam ali dançando de verdade, com coração de criança.  Coincidentemente vasculhando na grande rede imagens sobre o Rei Davi me deparei com esta imagem cheia de simbolismos, entre os quais a cabeça decepada do gigante e o dedo da mão esquerda apontando para a cabeça de uma criança.

Statue of King David by Nicolas Cordier in the Borghese Chapel of the Basilica di Santa Maria Maggiore.




Não há constatações fortes na ciência da existência da Davi, sendo que a Bíblia, artefatos e papiros encontrados relatam detalhes de sua vida. Contam que não foi apenas um guerreiro, era uma amante da arte. Tocava harpa e escrevia poesias, além de ter grande número de Salmos atribuídos a sua autoria.  Alguns destes elementos apareceram durante o espetáculo, e pensei que poderiam ser muito mais explorados na proposta dramaturgica.

Muito bacana a proposta do Tango e do Hip-Hop, digo de passagem realizado com primazia. Mas não posso deixar de dizer que senti que destoaram do conjunto da obra no quesito figurino e enredo.  Seria possível de outra forma? Fiquei com esta pergunta. Eu diria que foram espetáculos à parte. Esses meninos do hip-hop mandam bem demais, quase pulei no palco pra dançar. 

Tanto corpo de Baile como as solistas apresentaram coreografias realizadas com muita precisão e leveza. Particularmente achei os desenhos coreográficos realizados pelas bailarinas muito elaborados e, cenicamente, encheram o palco e os olhos. Senti-me leve e feliz ao final.

Enfim, Rei Davi foi um ótimo festival, que honrou o lugar de contador de histórias.

Lendas e fatos contados através da dança. Não conheço nada melhor para produzir imaginários, constituir subjetividades, criar valores e emanar sentimentos no coração humano.

Fabio Teixeira

Comentários

Lorena Izabella disse…
Como bailarina presente no elenco e realização do espetaculo, agradeço de coração todo o dito sobre a nossa noite de sabado. Suas palavras foram bem claras, e pode relatar muito bem, oque nos dedicamos a fazer. E nos colocamos a essa disposição de passar essa impressao descrita por voce para nosso publico. Fico muito feliz por conseguirmos passar essa mensagem dessa historia tao linda quanto a do Rei Davi. Um abraço. Lorena Izabella
Luciana Tomaz disse…
Somente uma coisa a dizer: O espetáculo foi emocionante...
Amanda Correa disse…
" encheram o palco e os olhos. Senti-me leve e feliz ao final."
Faço das suas palavras, as minhas! =)
Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

O Julgamento de Frinéia

A Carta de Despedida