ARTEFATOS



Com muita alegria pude assistir este espetáculo de dança.

Um espetáculo divertido, suave e criativo, do tipo de nos deixa com o coração leve ao final. Figurinos muitos bem elaborados, coerentes com a proposta e de muito bom gosto. Um cenário delicado e colorido, aludindo a arte da reciclagem, diria, algo contemporâneo. Apresentou uma certa dramaturgia simplista, mas bem concebida, arriscando elementos cênicos que levavam para além da beleza coreográfica, que, diga-se de passagem, foi excelente.

Eu acho ótimo quando isso acontece, quando já sabemos que existe uma coreografia, uma estética da dança, mas esses elementos passam a ser secundários frente ao que é mostrado no palco. Gosto quando existe essa tentativa, esse desejo, esse esforço de fazer arte. Tenho pensado muito nisso ultimamente, nesse esforço da arte em saltar da tela, saltar da obra, saltar do corpo e tornar-se uma mensagem, uma sensação ou um sentimento vivo. Esse inevitável movimento de ser algo mais. É isso que vi e tenho visto nos trabalhos da Thalita, esse algo a mais, algo para além da dança do ventre, do samba ou do circo.

Agrada-me ver artistas no palco e não apenas bailarinos no sentido técnico da palavra. Agrada-me ver artistas felizes mesmo com toda atenção, tensão, profissionalismo, mas se divertindo em cena. Pelo menos a grande maioria, alguns ainda precisam relaxar mais.

Acho extremamente produtiva a chance dos artistas iniciantes lançarem-se no palco junto com os experientes. Eu penso nisso como uma qualidade destes eventos. O novo só é novo se não está preso, condicionado à reprodução do que é antigo. Embora se diga popularmente que tudo já foi inventado, ou, que não há nada de novo entre o céu e a terra, o que reinventa sentidos ao pré-existente e dá diversos rearranjos ao existente é exatamente a arte.

Os fatos da vida são quase sempre os mesmos: nascimento, crescimento e morte. A arte vem preencher de cores as lacunas entre o perceptível e o intangível.

Nesse momento o fato se torna arte, a arte do fato.

Tive vontade de falar especificamente de cada cena, mas achei mais prudente pensar no espetáculo como uma conjunção das multiplas qualidades exibidas. A obra vista pelo conjunto das pequenas obras, um todo que é sempre maior do que a somatória das partes. Agradeço a chance de ter assistido.

Sucesso sempre.

Paz e alegria.

Fabio Teixeira

-------------------//--------------


Ficha Técnica
Produção: Leandro Brito e Thalita Menezes
Direção: Thalita Menezes
Realização: Espaço de danças Thalita Menezes
Figurinos: Desenhos: Thalita Menezes / Confecção: Ateliê Mary Fabiana
Acessórios: Infusion Atelier
Fotografia: Greis Ferreira
Filmagem: Primata Filme

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Julgamento de Frinéia

A Carta de Despedida