Para que palavra se existe a música?


O ARTISTA - 2011

Diretor: Michel Hazanavicius

------------// ------------

Assistir a este filme foi sem dúvida uma das experiências cinematográficas mais intrigantes que tive nestes últimos anos. Acho que desde a Lista de Schindler que não sou capturado por um filme em preto e branco com tanta intensidade.

Eu disse capturado, porque foi essa a sensação que tive. É um filme mudo, mas de intensidade sonora. Na primeira cena a orquestra entra como participante da trilha sonora de um filme que está sendo produzido, um filme dentro do filme. Essa orquestra me acompanhou até o ultimo momento da passagem da legenda. Nesse momento eu quis que houvesse filmes assim, onde a orquestra estivesse no fosso acompanhando ao vivo as imagens.

Para que palavra se existe a música?

A sonoridade espetacular das músicas acompanhando cada nuance das tomadas, cada olhar, minúcias, sombras, sapateados. As vozes eram totalmente substituídas pela música que me fez chorar em vários trechos, tamanha a expressividade textual que a elas era atribuída.

Música é texto, corpo é texto, imagem e som juntos formam uma obra espetacular de encher o coração.

Um filme sensível, delicado, recheado de imagens subliminares, metafóricas, enfim, me capturou totalmente.

De forma sonhadora e absolutamente utópica, mas sem deixar de ser verdadeira enquanto sonho, queria experimentar uma orquestra regendo os sons do meu dia, pelo menos uma vez.


Fabio Teixeira

Fabiozen.blogspot.com



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Julgamento de Frinéia

A Carta de Despedida